6 de abril de 2011

"O Blog do Desassossego" acabou hoje. Há pouco, antes de publicar o seu último post, a Diana explicou-me o que se passava e quis saber a minha opinião sobre a sua intenção.

Concordei com ela e fiz apenas uma exigência: "tens de acabar com um 'puta que pariu'". Lá está ele, no remate de meia década de memórias.  

A Internet é uma gigantesca base de dados, onde a informação se conserva, acessível a todos, até à eternidade. Temos um rasto difícil de apagar.

Um dos argumentos para o fim do Desassossego é-me muito caro. Como a Leididi, também eu passo o dia a escrever. Nem sempre foi assim. Quando esta Marcha começou, há quase cinco anos, trabalhava numa rádio. Entretanto, estive na televisão. Agora, vim parar a um jornal. Nunca escrevi tanto como agora, mas também nunca o meu blogue ficou tanto tempo esquecido. 

As palavras esgotam-se. As minhas, pelo menos. Não é que não tenha coisas para partilhar. O que me falta é a capacidade de as organizar em frases coerentes, capazes de resultar em algo de que não me envergonhe.

Não imaginam a quantidade de vezes que abro o blogger e fico longos minutos, com os dedos apostos, a olhar para o cursor. De vez em quando arrisco um parágrafo. Quase sempre, porém, desisto ao fim de duas linhas.

Os blogues pessoais estão a acabar. As pessoas encontraram outras formas de comunicação, mais rápidas e instantâneas. Continuamos cheios de desabafos, mas entretanto existem outros sítios - um em especial - onde nos dão atenção mais rapidamente. 

A lista de ligações aqui ao lado assinala cada vez menos actualizações, sinal de que a blogosfera se está a transformar num gigantesco cemitério de confissões. Nós, os que persistimos, somos pré-históricos.

Um dia, o Marcha dos Pinguins também vai acabar. Quando isso acontecer, escreverei o devido elogio fúnebre (porque quando morremos, somos todos bestiais). Algumas semanas depois, apagarei o que restar. Nunca se deve deixar um morto por enterrar. 

De alguma forma, a Diana inspirou-me a fazer isto. E por enquanto apetece-me continuar. Desculpem-me se não conseguir ser o que esperam de mim.


6 comentários:

Antígona disse...

Sinto que devo dizer qualquer coisa, mas não sei o quê. Por isso não digo nada.

carla disse...

Por favor continue, mesmo que vá escrevendo pouco, porque fazem sempre falta bons blogues como este. Não sou adepta das outras formas de comunicação mais rápidas, acho os blogues muito mais interessante.

andorinhaavoaavoa disse...

Mesmo que escrevas menos, o que também acontece no meu blogue, os teus textos são sempre fabulosos. Não desistas e deixa-te de elogios fúnebres e pedidos de desculpa! Escreve bem e com alma como sempre! :)

Tiago Couto disse...

De volta aos anos 60!

Visita http://palavrasdechocolate.blogspot.com/2011/04/de-volta-aos-anos-60.html E descobre um pouco mais sobre os anos 60 em Portugal!

Lucy Fields disse...

acho que todos nós temos períodos menos inspiradores, mas se esperarmos melhores dias virão, espero eu, espero que quanto muito te aconteça isto mesmo e que voltes sempre. gosto do que escreves.

gralha disse...

Pois é... Mas por quê? Não sei bem.
(o postal já seguiu há umas 2 semanas)