26 de dezembro de 2006

A Moviflor, a cadeira e eu


- Ah, mas agora tem que esperar um bocadinho. O meu colega foi almoçar.

- E a que horas volta?

- Isso não sei.

- Não sabe? Então mas eu não posso ficar aqui eternamente!

- Pois, mas como lhe digo ele foi almoçar e não sei a que horas volta. É questão de aguardar ou voltar mais logo.

- Não podia ter-me dito isso antes de eu pagar a cadeira?

- Pois. Tem que aguardar.

- Então e numa loja tão grande não há ninguem que possa ir buscar a cadeira? É exemplar único, está em exposição e eu vejo-a daqui.

- Como deve calcular nem eu nem as minhas colegas carregamos os móveis.

- Mas é só uma cadeira.

- Mesmo assim.

- Então posso ir eu busca-la?

- Não. Só o meu colega.

- A senhora desculpe, mas o que é que vai fazer esta tarde?

- Trabalhar.

- Também eu. Importa-se de ir buscar a cadeira?

- Tem que ser o meu colega.

- E a solução é?

- Esperar ou voltar depois.



Uma verdade:

Desculpem, mas o meu Swatch novo é mais bonito que o vosso.

19 de dezembro de 2006

Em final de Advento, duas (boas) constatações

1- O Natal, pela primeira vez em muitos anos, vai juntar toda a família. E quando eu digo toda a família eu quero dizer TODA A FAMÍLIA.

2- O ano novo vai chegar na Batalha, numa versão a dois.

18 de dezembro de 2006

MEC


Grande entrevista do MEC ao suplemento , no Díário de Notícias.
Está de volta, o rapaz (em versão fat), e ainda bem.



14 de dezembro de 2006

Canta, filho, canta


No dia em este rapaz nasceu, I Don't Wanna Dance, de Eddy Grant, brilhava no Uk Top 40#. O nome da música diz uma grande verdade a meu respeito. Obrigado "mano", tudo faz mais sentido agora... e a culpa do pé de chumbo é tua!

A ver, aqui.


* e obrigado à Mir.

Plus ou moin l'infini


Espectáculo de novo circo em cena no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
Com bons detalhes e momentos muito divertidos. Capaz de surpeender o espectador. Falta, talvez, um pouco mais de ritmo à acção.


Companhia 111
De 13 a 17 de Dezembro.
CCB, Grande Auditório

12 de dezembro de 2006

Prendas de Natal: Amigos

Vai um cigarrinho de louro?

117 minutos de cinema


Caché

Título original: Caché
Realização: Michael Haneke
Intérpretes: Daniel Auteuil, Juliette Binoche, Maurice Bénichou

França, 2005

Comentário: Emoção e mistério: é esta a ideia de uma produção europeia, de 2005. O filme começa com uma aborrecida imagem estática, com largos minutos de coisa nenhuma, o que me fez pegar na caixa do DVD e certificar que, ao engano, não tinha escolhido um filme rafeiro do Manuel (sim, esse). Não.
Um famoso apresentador de televisão é importunado com cassetes video onde estão gravados momentos da sua vida. Suspeitando de um ex-"amigo", o astuto apresentador faz tudo para acabar com a situação, o que se revela uma aventura trágica.
bem realizado, com mais ritmo que os primeiros cinco minutos faziam prever. O final demasiado aberto provocou uma breve cólica colérica neste espectador, mas passou com medicação apropriada.



Coorporativismo


Mais de um milhar de bloggers provenientes de 36 países estão reunidos em Paris, no "Web 3", nome do terceiro encontro que reúne os aficionados desta nova forma de comunicação no ciberespaço.

No primeiro dia, o público do encontro ficou a saber que hoje o vice-primeiro-ministro israelita, Shimon Peres, vai participar no encontro com uma palestra subordinada ao tema "Internet e a Liberdade de Expressão".

O organizador do "Web 3", o conhecido blogger francês Loic Le Meur, convidou também para a iniciativa os três candidatos à presidência francesa já assumidos: o conservador Nicolas Sarkozy, a socialista Ségolène Royal e o centrista François Bayrou mas só o primeiro confirmou já a sua presença.



11 de dezembro de 2006

A Marcha escolhe: Os melhores filmes de animação

107 minutos de cinema


As Chaves de Casa

Título original: Le Chiavi di Casa
Realização: Gianni Amelio
Intérpretes: Kim Rossi Stuart, Andrea Rossi, Charlotte Rampling, Alla Faerovich, Pierfrancesco Favino, Manuel Katzy, Michael Weiss, Ingrid Appenroth, Dimitri Süsin, Thorsten Schwarz, Eric Neumann.

Itália, 2005

Comentário: A história de um pai que demorou 15 anos a querer saber do filho e do dificil relacionamento que os dois conseguem alcançar. Um filme sobre a integração das pessoas portadoras de algum tipo de deficiência.
Emotivo, mas talvez pouco profundo. Merecia uma acção mais curta, para poder ser melhor trabalhada. Estes filmes têm que levar à lagriminha e este não chega a tanto. Agora, vale a pena, que vale.


8 de dezembro de 2006

Prendas de Natal: Blogs

A Marcha inicia aqui a distribuição de prendas. Começamos pelo miminho aos blogs por onde o autor costuma andar, roubando minutos ao horário de trabalho.

7 de dezembro de 2006

A verdade como nunca antes


84 minutos de cinema


Borat

Título original: Borat: Cultural Learnings of America for Make Benefit Glorious Nation of Kazakhstan
Realização: Larry Charles
Intérpretes: Sacha Baron Cohen, Ken Davitian, Luenell

EUA, 2006

Comentário: Borat: nojentinho, badalhoco, assim... porco! Ele é um stupid man e eu gosto disso. Num estilo meio documentário, meio comédia, meio coisa nenhuma, Borat: Cultural Learnings of America for Make Benefit Glorious Nation of Kazakhstan é uma divertida comédia, tão mázinha quanto se espera. Promiscuidade q.b. e cheiro a chulé, muito. Muito.
Vão ver e assistam ao momento em que Sacha Baron leva com um "par de dois" em cima da cara.
Numa escala de 0 a 20 dou... hum... 4. Porque o filme é mau. Mas se fosse bom, não valia nada, por isso, parabéns, rapazes.

4 de dezembro de 2006

140 minutos de cinema


As Crónicas de Nárnia

Título original: Chronicles of Narnia
Realização: Andrew Adamson
Intérpretes: Tilda Swinton, Georgie Henley, William Moseley, Skandar Keynes, Anna Popplewell, Rupert Everett, Sophie Winkleman, James McAvoy, Jim Broadbent, Liam Neeson, Ray Winestone

EUA, 2005

Comentário: Uma história ao melhor estilo Disney. Uma fábula com tudo o que uma fábula deve ter: magia, cor, encanto, ingenuidade. A porta que abre e transporta quem passa para um mundo de imaginação e fantasia. A neve que derrete e faz a Primavera entrar triunfante e o Leão gigante salvo por um "feitiço dos deuses".


Desafio aceite

Pede-me a singela Miss K. que faça o obséquio de enumerar cinco manias minhas. Tão fácil, por serem tantas. Tão duro por serem só cinco. Aqui estão:


1- THE SIMPSONS. A Fox, que dá tantos episódios por dia. A 2: que dá um episódio fresquinho todas as semanas. Os DVD's ao preço da uva mijona. Os DVD's caros como tudo. As VHS compradas sabe-se lá onde. O Amazon.com e as coisas tão giras. O merchandising.



2- CHOCOLATE. As borbulhas na cara. A dor de barriga. A diarreira (e desculpem o nojo). Tem que ter qualquer coisa e essa coisa qualquer não pode ser fruta.
3- GORROS E BONÉS (à velho). Quando o tempo arrefece, meus amigos, este rapaz gosta de tapar a cuca. Nem sempre o faz, mas gosta de ter por onde escolher.

4- FNAC. Evito ir, porque sempre que vou gasto dinheiro. Mas vou mais do que evito e gasto mais do que devia.5- . Epá, como eu detesto estar num sítio com pó. Então se esse sítio for o meu Gil (nome gay e carinhoso que certa e determinada pessoa deu ao meu carro azul), que me desculpem, mas não consigo. Limpo.



Regulamento:
"Cada bloguista participante tem de enunciar cinco manias suas, hábitos muito pessoais que os diferenciem do comum dos mortais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher outros cinco bloguistas para entrarem, igualmente no jogo, não se esquecendo de deixar nos respectivos blogs o aviso do "recrutamento". Ademais, cada participante deve reproduzir este "regulamento" no seu blog."

Envio o DESAFIO para....

3 de dezembro de 2006

Desafio

"Cada bloguista participante tem de enunciar cinco manias suas, hábitos muito pessoais que os diferenciem do comum dos mortais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher outros cinco bloguistas para entrarem, igualmente no jogo, não se esquecendo de deixar nos respectivos blogs o aviso do "recrutamento". Ademais, cada participante deve reproduzir este "regulamento" no seu blog."
Amanhã trato do assunto.

30 de novembro de 2006

Tomada de posição

Sou genericamente contra o aborto. Sou a favor da despenalização. Vou votar sim.

As mulheres (os casais) têm o direito à opção. Ninguém, a não ser que sofra de graves problemas na cuca (e então precisa de ser medicado), faz um aborto como quem dá uma bufa e por isso deve ser dada liberdade de escolha, acreditando que as mulheres e os homens são seres dotados de consciência própria, que não precisam de um Estado autoritário que lhes diga o que é certo e errado.

Alguém acredita que, a partir de agora, meninas feias e más vão andar para aí a dar o pito ao manifesto de forma mais libertina e a seguir vão a correr desfazer o disparate?

Todas as mulheres podem fazer um aborto hoje em dia. Basta quererem. Fico mais descansado se o fizerem num sítio sem baratas e com objectos esterilizados.

Confrontado com uma situação de gravidez inesperada, a imaginar-me a ser pai sem contar com isso, acredito que não quereria uma solução abortiva, mas cada um sabe de si.


Pela despenalização, pela inteligência, pela liberdade. Sim.



Matvey pede...

Eu também quero uma Penelope Cruz só para mim. Eu quero, eu quero.

29 de novembro de 2006

Regresso

Ironia: a faculdade por onde andei perdido não sei quantos anos (e de onde, efectivamente, ainda não saí) convida-me agora para falar sobre comunicação social.

Ou seja, volto como convidado, onde devia ir como aluno.


28 de novembro de 2006

Violência

"Número de vítimas até aos 24 anos foi o que mais cresceu, em 2006. O aumento é de 59 por cento. Agressões dentro do namoro ainda não são consideradas violência doméstica. Para muitos adolescentes bater «é normal»".

Aqui.

25 de novembro de 2006

115 minutos de cinema


Habana Blues

Título original: Habana Blues
Realização: Benito Zambrano
Intérpretes: Alberto Joel García Osorio, Roberto Sanmartín , Yailene Sierra, Tomás Cao Uriza, Zenia Marabal, Marta Calvó, Roger Pera, Julie Ladagnous

Espanha, Cuba, França, 2006

Comentário: Habana Blues é um filme intenso, que conta a história de um grupo de amigos que, na Cuba de Fidel, procura vencer no mundo da música.
Mais do que a história de uma banda, Habana Blues é uma alegoria à Cuba dos nossos dias; aos desafios colocados a quem tenta ir para lá da fronteira que marca a distância entre o “possível” e o “impossível”.
Habana Blues é também um louvor à amizade, à fé.
Uma história bonita, com bons detalhes de realização e uma fotografia cuidada.



22 de novembro de 2006

21 de novembro de 2006

Disclaimer

No final das mensagens escritas devia vir qualquer coisa assim:

This message is intended exclusively for the named person. It may contain confidential, proprietary or legally privileged information. No confidentiality or privilege is waived or lost by any mistransmission. If you receive this message in error, please immediately delete it and all copies of it from your system, destroy any hard copies of it and notify the sender.


Evitavam-se embaraços.


20 de novembro de 2006

152 minutos de cinema


Entre Inimigos


Título original: The Departed
Realização: Martin Scorsese
Intérpretes: Leonardo DiCaprio, Matt Damon, Jack Nicholson

EUA, 2006

Comentário: O novo filme de Martin Scorsese soma pontos, à partida, só pelo elenco. Se é certo que um bom leque de actores não faz um bom filme, não é menos verdade que ajuda.
The Departed não é uma obra prima, mas é um filme para ver sem 'pipoca'. Depois, o problema deve ser meu, mas duas horas e meia é demais, meus amigos: tira o imediatismo ao acontecimento.
Falta um pouco mais de acção, há um abuso do sentimento "é agora que isto vai começar a aquecer" e um final melhor trabalhado, também não ficava mal, que não ficava, não.
Em destaque, Jack Nicholson.


18 de novembro de 2006

Conhecem?


Jackie is just speeding away
Thought she was James Dean for a day
Then I guess she had to crash
Valium would have helped that bash
Said, Hey babe,Take a walk on the wild side
I said, Hey honey,Take a walk on the wild side
and the coloured girls say,
doo do doo do doo do do doo



Sexta-feira, 6:40, seguia este rapaz no seu Aygo para o última dia de trabalho da semana. No rádio, Luís Filipe Barros brinda os ouvintes com "Outras Histórias da Música". A revelação do dia: Walk on The Wild Side, de Lou Reed, foi originalmente escrito para um travesti, com quem Lou manteve uma relação de vários anos.
Eu explico. Em New York city os travestis, quando querem, enfim, engatar, usam a expressão "Hey baby, let's take a walk on the wild side!".
Lou Reed, o próprio, conhecedor da vida underground da "city that never sleeps" deixou-se levar pelo encanto de um senhor(a) do "lado selvagem" e fez-lhe aquele que, ironia, é hoje o seu tema mais popular.

Agora releiam o excerto da letra e digam lá que não faz muito mais sentido...?

Mário Augusto apresenta...

Mais Bastidores de Hollywood


Um livro duplamente interessante: Porque revela mais dos bastidores do mundo das estrelas do grande ecrã; Porque visa ajudar as crianças portadoras de deficiência mental.

A ler, digo eu.



17 de novembro de 2006

Condecoração


A redacção que louvei há algumas semanas é hoje desfeita. As empresas têm esta capacidade de juntar e "separar pessoas".

A terceira condecoração Marcha dos Pinguins vai por isso para Leididi, AM. e SB.

A quem vai, a quem fica... Foi um prazer, camaradas. Mesmo.

Vemo-nos por aí, certo?

16 de novembro de 2006

Marcha Internacional


A Marcha tem sido visitada por alguém em Taipei, capital de Taiwan.

Para nós, humildes trabalhadores de coisa nenhuma, é uma honra contar com um leitor vindo de um país insular, reivindicado pela China, que a considera uma província rebelde.

Três vivas para Taiwan: Viva, viva, viva!


(e não desistam, rapazes)

15 de novembro de 2006

14 de novembro de 2006

8 de novembro de 2006

Perdoa-me, sim?

No início das suas emissões regulares a SIC tinha na sua grelha um programa, apresentado por Alexandra Lencastre (ela mesmo). O seu nome: Perdoa-me.
Pois bem, Perdoa-me - the show, está de volta. Ele vai tentar a reconciliação entre Alberto João Jardim e José Sócrates.
Jardim cantará para Sócrates uma versão adpatada do Hello, de Lionel Richie.


Imaginem, pois, a cena:
I've been alone with you inside my mind
And in my dreams I've kissed your lips a thousand times
I sometimes see you pass outside my door
Hello, is it me you're looking for?




Pela manhã


E agora, se não se importam, vou comer qualquer coisa.



7 de novembro de 2006

In Memoriam

"Idalina, uma missionária portuguesa de 30 anos da associação Leigos para o Desenvolvimento, foi assassinada na madrugada desta segunda-feira na missão de Fonte Boa, distrito de Angónia, província de Tete, em Moçambique. A missionária foi estrangulada por assaltantes. Um padre jesuíta brasileiro também foi morto durante o assalto."


6 de novembro de 2006

A Ciência e a "mental health" do autor

Fotomicrografia de artéria femoral do Coelho 05 do Grupo A, mostrando detalhe do espessamento intimal e o desarranjo da camada média (setas). Solução de CALLEJA - 40x.

Se me perguntarem o que é que que se passa na artéria femoral responderei que não sei. Mas estou tão 'desarranjado' como ela. Lá isso estou.

Alguém?

Uma espécie de quase nada...

Constatação 1: Um programa de humor de meia hora que tem 3 minutos com piada... é preocupante, não?
Constatação 2: Todos dizem achar muita piada aos "Gatos", mas o único que os faz rir é o Ricardo Araújo Pereira.


5 de novembro de 2006

230ml de prazer

"The best hazel nuts, roasted and caramelised in a copper cauldron, lend CHOCO LATTE Noisette its delightful character."

Acreditem: É muito bom!



3 de novembro de 2006

Obrigado

Estreia hoje um novo programa de informação na rádio onde deixo os dias.

Se sou eu que o apresento e edito, a verdade é que o mérito do sucesso que o formato possa alcançar vai, em grande parte, para a equipa de jornalistas que altruisticamente se dedica a ele.

Ninguém, como esta redacção, "leva tanto nas orelhas". Ninguém, como esta redacção, sabe o que é trabalhar profissionalmente.

Uma hora de informação semanal assegurada por quatro jornalistas (que fazem 1001 coisas mais) pode parecer fácil, mas longe disso é um desafio que se vai renovar a cada programa. O mérito é vosso.

Para mim, é uma honra trabalhar e aprender convosco. Obrigado A., S., D..

São os melhores!



PS - Esta é a única forma qu€ eu tenho de reconhecer o vosso trabalho.

A rapariga do quarto ao lado


O novo disco de Diana Krall é aquilo que se espera de um novo disco de Diana Krall. É meu.

Obrigado DK, mesmo.


PS - Ah, deixa o Costello, deixa.