15 de dezembro de 2009

O nada que tanto escrevo

Tenho escrito muito sobre economia, isso deixou-me a cabeça cheia de números. Tenho escrito muito sobre política, isso deixou-me a cabeça cheia de perguntas. Tenho estado muitas horas, muitos dias, no Parlamento, isso deixou-me a cabeça cheia de corredores, e escadas e portas abertas e portas fechadas e portas que, fechadas, se abrem.

Tenho escrito muito sobre muitas coisas. A maior parte das coisas que escrevo, não chegam, sequer ao papel. Estão na minha cabeça. Tomo banho e escrevo. Vou a pé para a redacção, escrevo. Tomo o pequeno-almoço, escrevo. Café, escrevo.

Claro, não escrevo assim tanto. Não escrevo tanto assim, mas quase.

Eu escrevo, oiço o que se diz sobre o que escrevi e continuo a escrever.

Escrevo tanto e, afinal, não escrevo nada daquilo que queria escrever. Aqui.

3 comentários:

gralha disse...

Ficamos à espera, que remédio.

andorinhaavoaavoa disse...

Sei o que é não ter tempo para escrever! Mas se te esforçares, sei que consegues...

Antígona disse...

Mas quando o fazes fazes bem :):):)