3 de agosto de 2009

Do país do petróleo

Não é novo por aqui o tema das filas nas bombas de gasolina. Em Luanda, dentro da cidade ou nos arredores, é frequente esperar cerca de uma hora para atestar o depósito. O tempo é estimado à partida e ao fim de duas ou três peregrinações o cliente habitua-se e já não estranha. Isto quando tudo corre "bem".
O que se passa é que nem sempre tudo corre "bem". Hoje não correu.
Saí da estação relativamente cedo, o programa passava por ir à bomba e depois ao supermercado para comprar uns garrafões de água (pois!). A bomba mais perto de Talatona (onde fica a televisão) é a dos Mirantes, a escassos 500 metros do sítio onde trabalho. À chegada, uma enorme fila, maior do que o habitual e a notícia: Não há gasolina nos tanques.
Próxima paragem, Morro Bento. Bomba sem um único carro, o que é motivo de estranheza. Trinta segundos e ficou tudo claro: não há gasolina.
Uns litros a menos, uns quilómetros a mais, Golfe II. Meia hora na fila, antes da informação: Não há... gasolina!
O ponteiro sem mexer, e um sufocante caminho até à estrada de Viana, última esperança, num posto improvisado, feito de contentores, depois de uma agressiva picada. Duas horas na fila, várias manobras, o ponteiro para lá do razoável e finalmente o depósito a encher.
Em resumo, três horas de tentativas e uma ida ao supermercado adiada sine die.
Angola tem um problema grave de refinação. O país do petróleo tem apenas uma refinadora e importa a esmagadora maioria do combustível final que é posto no mercado. Gasóleo e gasolina são bem escassos e é frequente a cidade ficar a seco. Ironias.

5 comentários:

Antígona disse...

a seco de gasolina, a seco de água...enfim...

shanti boy disse...

pois é...nem de propósito!
hoje fui por gasoleo na minha carrinha...assim que estacionei, lembrei-me das filas de angola (e eu não tinha carro aí). cá, na europa, hemisfério norte, demoramos cerca de 5 minutos a tratar de tudo, parar, pagar e encher o depósito.
não ha pachorra para o sub-desenvolvimento!
tudo isso já está para lá do "very typicall"...
lamento que tenhas ainda que gramar com esses filmes...!

Sereia disse...

E sem água...não queria estar aí...

andorinhaavoaavoa disse...

Aguenta coração! São os "senãos" de continuares na terra dos mongolés!

katyla silva disse...

Humm outras coisas é azar yah, é muito comum ficar-se numa fila durante 1 hora para se abastecer o carro em ANGOLA? Nasci e cresci em Luanda e nunca me aconteceu tal coisa, gasolina e gasóleo é escasso por aqui (grande novidade que estás a contar-me) estou a morrer de rir!