11 de janeiro de 2011

Vida secreta



De uma maneira ou de outra, todos temos uma vida secreta. Para lá da nossa imagem pública, mantemos um lado obscuro, secreto, que não revelamos a ninguém ou que insistimos em manter oculto das pessoas com quem mais coisas partilhamos. Não vale a pena, nisso somos todos iguais.

O que pode variar é a dimensão do segredo que guardamos do mundo. Ao olhar para o colega de trabalho que se senta duas secretárias ao lado da nossa, quem é que pode imaginar que, à noite, apesar dos seus 40 anos, ainda dorme com um pijama de ursinhos? E aquela outra que sonha em estar com uma mulher e até se inscreveu em mais do que um site de encontros? E a nossa mulher, os nossos filhos? O que é eles nos esconderão?

Da mesma forma, por mais resolvidos e determinados que sejamos, por mais certezas que tenhamos a propósito do nosso presente e vontades para o futuro, somos seres com passado. Carregamos, dos anos que já vivemos, personagens e histórias reais. Ninguém é completamente isento de um assunto que ficou por esclarecer, de uma amizade que deixou de existir ou de uma relação amorosa mal resolvida.

Muitas vezes, tentamos virar a página mas não nos dispomos a soltar as amarras que nos prendem ao capítulo que nos faz ficar acorrentados a um lugar ao qual, bem vistas as coisas, já não pertencemos.

Se o que nos prende é uma pessoa, o nó é ainda mais difícil de desfazer. Hoje em dia, a não ser pela morte, dificilmente perdemos o rasto a alguém. Se não é o telemóvel, será o email. Se não for uma ou outra coisa (quando não as duas), ainda temos o Facebook. No fundo, é como se o nosso passado estivesse ali, sempre disponível, com tudo o que de maravilhoso ele teve, até porque o tempo se encarregou de arrumar aquilo que, objectivamente, nos afastou daquele caminho.

Como na gramática, queremos mudar o tempo verbal das nossas vidas. Nunca dá certo. A história não se repete e o que foi não voltará a ser.

Não há uma fórmula que nos explique o que é que nos mantém presos a uma pessoa ou a um tempo. Temos os nossos motivos e serão tão válidos como quaisquer outros... pelo menos, à luz dos nossos critérios. Será falta de compreensão, infelicidade pela situação actual. Um suspiro, "naquela altura é que era bom".

Temos de ser consequentes com as nossas opções. Assumi-las, encara-las e defende-las. A não ser que nos tenhamos enganado (e só agora nos apercebamos disso), chafurdar nas memórias é não conseguir seguir em frente.

Como já escrevi, é um desperdício viver a vida pela metade. Como é que podemos aproveitar verdadeiramente o que temos hoje, se só pensamos no que tínhamos ontem?

Alguns dos meus piores momentos seguiram-se a hesitações, a quebras de confiança em mim próprio. Nessas alturas, vacilei e recuei. Fui à procura de coisas que já não existiam. De sítios onde me senti bem. Não há como evitar. É tão fácil perceber quando o sujeito não conjuga com o predicado.

Todos têm uma vida secreta e quase de certeza que não vamos gostar de conhecer o que de secreto os outros procuram ocultar. Todos temos uma vida secreta e alguns de nós andamos a ser consumidos por ela. Para nos libertarmos, o primeiro passo é termos vontade de o fazer. Estaremos interessados nisso?

4 comentários:

Antígona disse...

:):):)E quando a vida secreta se resume ao medo que temos do futuro?! É que tão mau é ficar agarrado ao passado, como o é viver exclusivamente para o futuro - tanto uma coisa como outra nos afastam do presente, que é como quem diz, da vida.
Gostei muito deste texto :)
Beijinhos

PP_FANTASMA disse...

E até o voto é secreto, por isso, está tudo dito!
:)

Emanuel disse...

Querer viver a vida que já não temos nos locais onde já não pertencemos é de facto uma espécie de tragédia grega. Mais vale recordar essas coisas, de vez em quando, sózinhos, com sorrisos meios adocicados num ambiente quentinho e luscofusco. Depois... Depois ir à luta!

Gostei do texto oportuno e muito bem escrito!

Paula Cardoso disse...

Eu costumo sair com as minhas amigas e o meu marido com os amigos dele, muitas vezes vejo-me em situações complicadas em discotecas as quais me puxam ao desejo de me perder um pouco, embora não o faça, o meu casamento já não é como era, será que o meu marido ainda não se perdeu numa dessas noites de álcool? Confio nele mas vivemos quase como amigos, a chispa não é o que era...