18 de dezembro de 2007

Salário mínino


Agora é que vai ser. Finalmente o país vai avançar! O salário mínimo sobe, em 2008, 23 euros e eu não consigo esconder a alegria...

Os patrões detestam a ideia e obrigaram o Governo (obrigaram, sim, porque eles mandam nesta merda a que alguns insistem em continuar a chamar de país) a aprovar uma série rídicula de medidas que visam proteger, ainda mais, o grande capital.

Eu compreendo. Afinal, os vis trabalhadores vão enriquecer e não fica bem um empregado levar uma vida mais afortunada do que aquele que lhe concede o direito de trabalhar. Há que liberalizar o mercado laboral. Para quê? Para despedir. Um patrão que quer um mercado de trabalho liberal que outra intenção pode ter?

Para o ramalhete ficar composto só falta mesmo observar a figura que o Primeiro fez. Lá se percebe que alguém possa sentir satisfação ao anunciar publicamente que há portugueses que, em 2008, vão ter que se governar com 426 euros?

Tenho para mim que as únicas pessoas que têm alguma felicidade em viver num país onde o salário mínimo chegará, em 2011, aos 500 euros são aqueles que, definitivamente, não vivem desse mínimo demoninador comum.

O que dá vontade é de pegar nos 23 euros de aumento e esfregar o cu com eles, mesmo antes de os enfiar pela goela dos Van Zeller que andam por aí a pairar... e são tantos e tão tentadores. Depois era vê-los a vomitar toda a podridão que encerram naqueles corpos putrefactos, vestidos de Armani por medida.

Portugal não precisa de um Salazar. Precisa é de um Estaline, para pegar fogo a esta cambada de bandidos que nos anda a governar.

4 comentários:

Pudget disse...

Nem mais, cada vez mais sinto que fiz uma escolha digna ao tomar conhecimento deste blog e a passar a a frequentador assíduo.

gralha disse...

Eu sei que é pouco, mas mesmo assim acho que foi uma iniciativa corajosa.

E olha que seu eu tivesse 23 euros a mais por mês, casava-me!

(as bolsas, por exemplo, não são aumentadas desde há meia dúzia de anos)

Inesa disse...

Gostei tanto de saber que este aumento ia para a frente... e gostei ainda mais de saber que no Luxenburgo o ordenado mínimo é de 1500€ (acho que nem nos próximos 10 anos receberei isso) e que aqui ao lado, no país de nuestros hermanos, com quem gostamos tanto de nos comparar, o salário mínimo é de 736€! Se tivermos em conta que a maioria das coisas são ao mesmo preço que cá (basta ver as etiquetas da Zara e afins), a comida é mais barata e o IVA é só de 17%, então, sim, percebemos o quão miseráveis somos e o quão miseráveis esses senhores todos insistem em manter-nos!

>> nim disse...

mais uma vez... absolutamente de acordo!

prometo que em futuros posts, farei comentários mais originais... lol.

gostei muito do que li por aqui, vou adicionar-te aos favoritos para visitas mais frequentes.

um abraço