17 de abril de 2009

Eu não me esqueci dos pintelhos, mas primeiro isto:

Ontem à noite alguém achou que era engraçado roubar o carro do meu pai. O facto dele se ter esquecido da chave na porta é capaz de ter facilitado o furto - não sei, digo eu - e a verdade é que, de repente, o carro desapareceu.
Ora, o mercado do furto é um mercado de gente honesta que faz do larápio um estilo de vida que merece ser respeitado. Assim, não me surpreendeu que, hoje de manhã, a viatura tenha aparecido a 500 metros de casa, absolutamente intacto, apenas com o depósito vazio.
Oportunamente, já chamei a atenção do meu pai. De futuro deve começar a ter mais cuidado com a gasolina. A que havia não deu para mais de 200 quilómetros.

3 comentários:

MissKitsch disse...

Ai... brilhante o texto!
E, no meio de tudo, sorte do pai, huh?!


Ainda há honra entre os larápios.

Andorinhaavoaavoa disse...

Estou a ver que o "esquecimento" é hereditário...
Pelo menos devolveram...
Afinal são ladrões do god!

Antígona disse...

Vocês são uma família de sortudos! Já nasceram assim ou a coisa foi-se compondo com o tempo? :)