18 de abril de 2009

O dia em que voltou a acontecer.

A história tem tanto de estranha como de verdadeira. Ia eu a caminho de Lisboa, com o Largo do Carmo no destino, quando decido parar para abastecer. Por ser a primeira depois da Ponte acabo por escolher a bomba da Total, antes das Amoreiras.
Já com o depósito cheio, de multibanco na mão, sou abordado por um "homem do Norte". O tripeiro - motorista, por sinal - tinha passado a entrada do posto de abastecimento e não fazia a mais pequena ideia de como voltar a passar por lá. Solícito, ofereci-me para ajudar. Entrei na carrinha - coisa que sei ser errado para aí desde os meus 3 anos - e dei as indicações necessárias. Chegados, despedi-me e segui viagem, no meu próprio carro.
Segui viagem e precisei de uma hora para me aperceber que havia deixado para trás a minha pasta. Big mistake, portanto!
Voltei de imediato à bomba e - Jesus Cristo é o Senhor! - o Nando - somos íntimos agora - apercebeu-se do esquecimento e guardou a preciosa bagagem. Fui ter com o sujeito a Santos, esperei que acabasse de jantar, fingi interesse na conversa e lá recuperei o saco e todo o seu conteúdo. A saber, em resumo:
          - Passaporte com visto de trabalho
          - 2000 dólares de uma colega
          - Documentos do carro
Foi a terceira vez, no espaço de oito meses, que perdi a mala. Se calhar tenho um problema.

4 comentários:

Leididi disse...

Se calhar tens. Cérebro de serradura.

sakura disse...

Ai minha nossa! Se perdesses essa pasta estavas fo****! Deves ter algum anjo da guarda ou coisa que valha! =)

Andorinhaavoaavoa disse...

O teu problema é seres um cabeça no ar...
E deixa o meu dinheiro em casa... Poças!
:)

Antígona disse...

Tu tens é uma sorte do caraças!