22 de novembro de 2007

Surpreendente

Um vizinho meu, formado em parvoice, achou que apanhar aves protegidas e fecha-las em gaiolas era uma óptima ideia. Sim, porque à boa maneira de ser português (e idiota), o cujo entende-se dono do mundo e zona periférica.

Vivo numa zona rodeada por pinhal, o que facilitou a "caçada". Por comentários que fui ouvindo, aqui e ali, tomei conhecimento da selvajaria. Depois, bem, depois foi só apelar àquele lado mais contestatário que ainda conservo e que, em diversas ocasiões, tenho espelhado neste blog.

A GNR tem um departamento designado por "Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente". O SEPNA cuida de averiguar e agir em conformidade, mediante as denúncias efectuadas pelos cidadãos, nas situações que constituam uma violação das regras de protecção ambiental (animal idem).

Escrevi um e-mail, pouco esperançado numa resposta. Acontece que a resposta chegou e acompanhada duma resolução do problema. A GNR veio à vizinhança, munida de um mandado, e apreendeu de imediato as várias aves em causa. Foi ainda levantado um processo de contra-ordenação, do qual deve resultar a aplicação da respectiva coima.

Resolvida a situação, recebi hoje em casa um carta do Comando-Geral, informando da realização da diligência.

Se não fossemos tão passivos, se exercecemos a nossa cidadania de forma plena, provavelmente viveriamos num país mais justo e melhor. É demagógico, mas verdadeiro.

4 comentários:

Leididi disse...

Eu tenho a impressão que tu qualquer dia sais de casa e habilitas-te a levar uma pedrada na cabeça.

Pudget disse...

Muitos mas mesmo muitos parabéns. As pedradas que levares significam vidas, verdadeiras vidas que salvaste. A relativização da nossa humanidade é a aceitação de que o crime compensa.

shark disse...

Não posso coçar o rabo enquanto comento porque sou canhoto e coço o rabo com a mesma mão com que cato as letras no teclado.
Isto era um aparte.
A parte séria (sem me rir) do comentário é a seguinte:
Este é um daqueles posts que me faz acreditar que há ainda é possível encontrar algum sentido no meio do absurdo que são os blogues quando os usamos sem nexo.
E sem sexo, pois faz sempre falta um nadinha.
Assim sendo e para não me alongar digo que gostei. Da forma, do conteúdo e do final feliz.

shark disse...

"Que há ainda é possível encontrar algum sentido".
Nesta calinada é impossível. Há um "há" a mais.
Mil desculpas.